terça-feira, novembro 11, 2008

OS PIORES TIPOS DE COMENTARISTAS ESPORTIVOS

Os Metidos a Intectualóides

O incrédulo leitor deve se achar que estou sem mais do mesmo, decerto, existem intelectualóides chatos em todos os ramos da sociedade e em cada um deles essa praga maldita é particularmente irritante. Mas é de lascar ver alguém com essa pinta toda falando de um esporte bretão simples o suficiente para se tornar o mais popular em todo o mundo.

Eu poderia incluir Alberto Helena Jr. ou até mesmo Armando Nogueira nessas classes, porém eles se encaixam melhor em outra que falarei mais tarde. Nessa, em particular, poderia citar o grande Deus da rolabosta Doutor Osmar. Bem, primeiro que se você é uma merda de um doutor, vá para a merda de uma clínica e não faça dos nossos ouvidos pinico com comentários esportivos; preferia bastante ele quando era um coadjuvante freqüentemente humilhado por Milton Neves e limitado a falar o pouco que conhece. Agora com a moral dada por Renata Fan (que também era melhor como garota-pc, mas não posso negar que ficou ótima sendo mostrada por mais tempo) e a babação de ovo de Neto ele passou a se achar o guru do futebol e soltar pérolas que eu faço questão de mudar o canal para não engolir.


Torcedores Fanáticos que se Julgam Imparciais


Essa é uma discussão que vem sendo arrastada há algum tempo, e já teve vários episódios desnecessários. Na minha opinião, é claro e óbvio que qualquer jornalista pode torcer pare um time de futebol, e até mesmo declarar qual o time que torce e ainda até ser parcial em seus comentários! Existem inúmeros exemplos positivos quanto a isso, mas sempre tem aqueles que são cegos, que julgam atributos inexistentes para seus clubes e inventam teorias conspiratórias mirabolantes que só Deus sabe de onde eles tiraram.

E a verdade funciona como coloquei acima, o chato não é jornalista torcedor, e sim jornalista torcedor que se julga imparcial. Poxa, o que é que custa apenas admitir que você torça para tal time e que está falando pelo coração, seria, para mim, algo bastante honesto e até uma demonstração de hombridade do dito cujo. Muita gente, mas MUITA GENTE mesmo desce o sarrafo no Chico Lang, claro, os não corintianos. Mas eu sou são paulino, são paulino roxo e quem me conhece sabe disso, e sinceramente gosto dele enquanto comentarista. Quando o São Paulo tá bem, e ele fica puto por causa disso ele diz logo "por mim esse time poderia perder todas e ser rebaixado!", e todos sabem que ele está sincero, o que é uma coisa tão rara hoje. Acho isso legal, válido, e até engraçado; evidente, é bom também saber que ele sempre quebra a cara.

Ainda nessa linha de raciocínio, eu já estou de saco cheio de comentaristas flamenguistas enrustidos na rede de canais globo, mas tem um que consegue fazer com que todo mundo saiba disso e ainda passe a informação de forma divertida e na medida do possível imparcial. Que é o Renato Maurício Prado. Ele conta piadas, brinca com os outros times, e faz tudo isso sabendo onde pisa. Acho que esse é inclusive um dos problemas dos comentaristas esportivos atuais, todo mundo está tão ranzinza, tão carrancudo, se importando tanto com réplicas visivelmente apaixonadas que às vezes esquece que é jornalista é está sujeito a isso, sempre. O futebol é apenas um esporte, precisa sempre do bom humor! Milton Leite sabe usar esse fator muito bem.

Ex-jogadores Despreparados

Realmente não entendo o critério usado para se selecionar comentaristas esportivos. Quantas boas faculdades de jornalismo formam profissionais da área todos os anos? Porque todos os canais ainda sempre buscam ex-jogadores famosos antes mesmo de testar suas habilidades jornalísticas?

Muitos canais devem usar isso para que o nome dos jogadores, e as torcidas que ele transmitiu alegria durante muitos, se voltem para seus comentários e tente buscar neles um reflexo do que ele fazia em campo... Ou um lapso que seja. Mas, pombas, os cara encerraram suas carreiras, não jogam mais, se foram bons em campo em nada significa que sejam bons nas telinhas. Que o diga Pelé, maior exemplo da disparidade.

O que ocorre é, na verdade, o oposto. Normalmente jogadores que foram medianos em campo acabam se tornando grandes comentaristas, e até mesmo técnicos, como Luxemburgo; ao passo que aqueles que comiam a bola agora regurgitam os microfones.

É bem verdade que ter alguém do lado que ontem esteve lá dentro é sempre bom, para dizer porque o jogador A deveria ter batido com o lado de fora do pé em cima do homem-base da barreira ou porque o goleiro deveria ter se antecipado quando o centroavante tomou a bola do beque ou coisas do tipo. Porém, ter um preparo é imprescindível. É até um desrespeito com quem cursou jornalismo, se esforçou, e não tem chances. Como disse Luciano do Valle em um vídeo polêmico que caiu na rede, antes da final entre Corinthians e Sport.

Sim, é evidente que existem os nome que se encontraram nesse meio. Como Caio Ribeiro ou Paulo Roberto Falcão, mas é triste assistir um jogo comentado por Müller. Triste.

Saudosistas

Tá aí uma raça que me dá nos nervos no futebol. Vocês devem ter percebido que me concentro mais nos programas da SporTV, principalmente no diário Arena, e é lá que essa corja se esconde. Eles são sensíveis à luz e não respiram o mesmo ar que nós, então ficam perdidos no tempo e espaço e acham que ainda estamos em uma época em que ser jogador de futebol era sinônimo de ser malandro e onde zagueiros não marcavam, só olhavam.

É muito fácil, creio, dizer que hoje o futebol é feio, que o campeonato é tecnicamente ruim que não existem mais meio-campistas pensadores, só cabeças-de-bagre. Porém não se leva em consideração que hoje em dia um jogador profissional ganha verdadeiras fortunas, e o que isso causa? MUITO mais gente quer ser jogador de futebol, muito mais gente quer investir em futebol, muito mais gente quer formar times e tudo mais; então tudo ficou mais competitivo, mais brigado, corrido. O campo se tornou pequeno para 22 jogadores, a força física está truncando o meio-campo, é evidente que quem não possuir um bom preparo físico não vai conseguir sair da marcação.

É claro que vão existir aqueles que argumentarão que Pelé e cia., com o preparo físico que existe hoje, jogariam muito mais. Claro que Pelé se destacaria hoje, ele é o cara, Maradona jogou até a década de 90, quando essa marcação forte já começou a ser implementada e mesmo assim brilhou, mas estamos falando de jogadores que aparecem de década em década. Eu creio fielmente que Ronaldinho Gaúcho, com a falta de marcação dos anos 60 ou 70 faria miséria, ele é um jogador do nível desses demais que, por um motivo ou outro, entrou em uma má fase atualmente, o que é natural. Mas isso não tira os méritos de jogadores modernos, como Kaká, que alia a força, com habilidade e objetividade.

A grande verdade é que o futebol é e vai ser esse que aí está, e ficar como mimimi de que antigamente era isso ou era aquilo é um grande pé no saco! E era aqui que se encaixavam o Helena e o Armando Nogueira, que citei anteriormente.

Aqueles que Falam Gritando e Procuram Confusão

Esse tipo de comentarista é triste, realmente, é o que transmite a má imagem do comentário esportivo.

Cansei de ouvir minha mãe falar "que gritaria é essa que você tá assistindo, menino?"; e não era para menos. Tentar entender o que se fala em programas de domingo à noite da Rede Bandeirantes com Neto e Godoy (se colocarem essa daqui nem vou tentar ouvir a barulheira), ou da RedeTV com peças como Ronaldo (ex-goleiro do Corinthians, que se encaixa muito bem também na categoria de ex-jogadores despreparados - ele foi visivelmente contratado para atrair o público corinthiano, sendento por ouvir seu ex-ídolo) ou nos antigos programas onde comentava Jorge Kajuru é realmente uma missão impossível. Apesar de Jorge Kajuru ser um dos que admiro.

Isso provém daquilo que comentei acima, que está faltando um pouco de educação a muitos comentaristas esportivos, eles não estão num boteco e eu não tô com um litro de pinga no sangue para decifrar o que eles querem dizer com aquela gritaria. No Fantástico desse domingo (09/11) fizeram uma entrevista que achei belíssima com Ney Latorraca, onde ele falava que está faltando para muita gente um pouco mais de educação, gentileza, cordialidade; pequenas coisas que vamos esquecendo com o tempo.

Isso também serve para o comentário esportivo.

E Galvão Bueno?

Mal citei a pessoa mais odiada no meio esportivo, o que há, hein? hahahahaha

Galvão Bueno, como qualquer pessoa que acaba aparecendo demais e por muito tempo, deixa perceptível alguns de seus defeitos e passa a ser repetitivo vê-lo sempre ali, narrando os jogos do Brasil e chamando de garoto aquele marmanjo de 27 anos. Mas demos os devidos créditos a quem merece, se ele está onde está hoje é porque ralou muito para isso e realmente fez por onde. Ninguém é perfeito e nem nunca terá consenso entre todos, é sabemos que o Galvão adora soltar aquelas frases de efeito e se acha a última pomba do convento, mas é o jeito dele e ele ainda possui muitas outras qualidades que acabamos esquecendo.

É mais ou menos em termos de erros de arbitragem, todo mundo é beneficiado e no outro dia esquece esse benefício, mas o dia que é prejudicado nunca mais esquece.

Deixem o Galvão lá, ainda prefiro ele comentando Fórmula 1, mas enquanto quiser falar de futebol tem crédito!

[mas claro, não vou deixar isso passar sem alguns vídeos comédia dele: deleitem-se ]

Ainda há Esperança!

Sim, claro, novos comentaristas esportivos surgem constantemente e, assim como o futebol brasileiro vem se fortalecendo mais uma vez e voltando a se tornar interessante com esse disputadíssimo campeonato de pontos corridos, os comentários esportivos se renovam e se tornam mais profissionais e eficazes. É só saber separar o jóio do trigo, assim como críticos de cinema, de games ou de outros esportes. Ter seu lado bom e seu lado ruim é algo inerente à natureza humana, mas saber que pessoas como Gérson, da Rádio Globo, ainda têm seu espaço nesse meio me deixam mais esperançoso que nem tudo está perdido! E...

That's All, Folks!

4 comentários:

Thyago disse...

conheço poucos games reviewers q merecem minha atenção.
somente o Amer, o Tim do Ctrl Alt Del e alguns artigos que escrevem para a IGN.
os da gametrailers são uns verdadeiros posers malas bostas

Paco D. Lee disse...

XD

Ryan disse...

meu negocio eh jogar bola

prefiro naum dar atenção a quem fala de um esporte q soh faz assistir...

:D

Jaderson disse...

Tambem prefiro desligar o som ao assirtir jogos, voltei a ouvir comentarios pq as vezes passam informações importantes, resultados etc, Mas gosto do Neto e do Muller e de alguns ai, e discordo de algumas opiniões, mas concordo que comentarista chato ou que fala muita coisa errada é irritante, aquela mulher da record é a pior e unica que estou lembrando agora.