sexta-feira, janeiro 09, 2009

Review: Bioshock

Antes de começar este review, gostaria de pedir desculpas a vocês. Eu fiquei de fazer uma projeção dos games para 2009, mas no momento me sinto mais confortável em fazer um review.

"Por que Thyago?"

Simplesmente porque não ando tão bem informado para fazer uma projeção decente dos 2 consoles que acho que possuem mais relevância para quem é realmente um gamer: Xbox 360 e Playstation 3 - desculpe donos de Wii, mas a Nintendo não tem tratado os donos de seu videogame com o devido respeito, na minha mais sincera opinião. Lançam mil novidades exclusivamente para o Japão, ignorando seu mercado ocidental, não trazem praticamente mais nenhum título novo de peso com excessão de Mad World, sendo que não temos sequer notícia dos games de sempre deles, que são Metroid, Mário e Zelda.

Portanto, hoje resolvi fazer um review de um game que me prendeu por 4 dias diretos. Este game é tão bom que continuei a jogar ele numa TV vagabunda de 14"!

Falarei hoje sobre...
BIOSHOCK!



Bioshock é um game feito pela 2K Games (falar o nome dessa softhouse em português e rápido soa... estranho) lançado originalmente com exclusividade para o Xbox 360 e para o PC, saindo depois de um ano para o Playstation 3. O jogo se passa na submersa cidade Rapture nos anos 60.

Rapture foi idealizada e concretizada por Andrew Ryan, um homem que não acreditava que o ser humano, para poder progredir, devia estar ligado a um determinado tipo de governo ou religião. Para Andrew, estas eram somente ferramentas de dominação para que uns poucos pudessem realmente usufruir de uma certa liberdade. Em Rapture, não há nada disso. Você é livre para estudar, trabalhar, se expressar como bem entender, desde que possa também se sustentar por lá com trabalho.

A merda começou a feder por lá quando passaram a querer lançar melhoramentos genéticos para a população como se fosse doce.

Isso mesmo, começaram a fazer pesquisas científicas e, como é uma cidade totalmente livre, a ética foi jogada pelo bueiro e a ciência pôde se desenvolver sem nenhum tipo de barreira. Aliás, é comum você encontrar armas automizadas, que irão detectar a sua presença, mas falo mais detalhadamente sobre isto mais adiante.

Começaram a fazer pesquisas de melhoramento genético e a vender esses melhoramentos em maquininhas. Aliás, é possível também comprar munição, kits de primeiro socorros e outras coisas que somente uma pessoa que está realmente pensando em matar outra compraria.

Sem falar nos melhoramentos genéticos, que vão desde fazer uma pessoa entrar em combustão, congelar ela, lançar raios, até usar telecinese, entre outras coisas.

Diga-me se uma cidade dessa não era uma bomba-relógio?

Também nela é possível hackear as maquininhas que vendem munição e outros acessórios, além de hackear os robôs-guardas e as metralhadoras automatizadas, tudo isto feito por um engenhoso (e na minha opinião viciante) joguinho de encanador.

Saca aquele jogo que você tinha que construir um caminho com os canos para a água passar? Pois é, aqui é da mesma forma. Quando você obtêm sucesso nisto, o robô ou a metralhadora automatizada passa a atacar inimigos, e as máquinas que vendem munição/provisões passam a vender produtos por menores preços!



Rapture é uma cidade tão bem construída e detalhada que fica difícil descrever aqui. Tudo possui aquele clima que o final dos anos 50, na sua transição para os 60, deviam ter (ao menos do que vimos nos filmes né? hehe). Não é mais um cenário aberto com esta ou aquela variação para você sair por aí dando tiro. É REALMENTE uma cidade cuja população perdeu a noção das coisas.

Não sei porque, lembrei de Fortaleza...



Ah sim, um game com tantas possibilidades, com tanta variedade e possibilidades, sem falar do nível de detalhes do mesmo, deve se tratar de um RPG, não é?

Errado, Bioshock é um FPS (First Person Shooter, ou "Estilo Doom", como você preferir). O que prova que mesmo um estilo de jogo que já foi incasavelmente usado e ainda é utilizado para se fazer um jogo é algo que pode trazer boas novidades.



A I.A. (inteligência artificial) dos inimigos é algo que vale a pena comentar, ainda mais se tratando deste tipo de jogo. Seus inimigos sempre tentarão lhe flanquear e atacar pelos lados ou por trás. Caso você toque fogo neles, eles correrão para a poça d'água mais próxima para se jogar e extinguirem as chamas. Alguns utilizam os Plasmids (que são os melhoramentos genéticos) para lhe atacar lançando fogo ou até mesmo se teleportarem para diferentes lugares, principalmente em cantos que você nem espera (não obrigatoriamente atrás de você).

Também é possível utilizar o cenário a seu favor. Os inimigos estão dentro de uma poça d'água (o que não é tão difícil numa cidade submersa)? Use seu poder de eletrocutar e vejam eles sofrerem choques até a morte. Estão perto de uma poça de óleo? Use o plasmid de fogo e o churrasco estará a caminho. Sem falar do muito útil plasmid de telecinese, que permite que você use qualquer coisa do cenário (inclusive corpos de inimigos já mortos) como armas, jogando eles em quem quer que te ataque.

Mas, para conseguir estes Plasmids, é necessário ADAM, que é tipo a "moeda de troca" para se conseguir estes melhoramentos genéticos. Porém, você somente os consegue se você retirá-los das Litlle Sisters, que são menininhas que usam uma agulha que revive qualquer trauma de infância para drenar os Plasmids dos mortos, ingerindo-os para fazer mais ADAM.

"Ah, são pivetinhas, não dão nenhum trabalho, certo?"

Bem, elas não dariam se elas estivessem sempre com um pequenino guarda-costas, os Big Daddies.

Essas coisinhas são os verdadeiros desafios do game em certos momentos, afinal você vai ter que pegar o ADAM das Litlle Sisters se você quiser sobreviver em Bioshock. E eles são eficientes no que fazem. Existem apenas dois tipos de Big Daddies:


Rosie, e


Bubbles
(que é tão Fodão que sempre está na capa do game)


Como vocês devem ter notado, Rosie usa armas de fogo contra você, sempre com uma ótima pontaria e ainda se desviando dos seus ataques. Já Bubbles, como tem a PORRA DE UMA FURADEIRA no lugar da mão, vai querer sempre te acertar. Ambos são extremamente resistentes e difíceis de serem derrotados, sempre exigindo do jogador que monte algum tipo de estratégia antes de enfrentá-los.

Depois de matar os Big Daddies, cabe a você escolher matar as Litlle Sisters, retirando delas todo o ADAM que elas possuem, ou resgatá-las, retirando menos ADAM, mas retirando-as da espécie de transe que elas estão. Eu resolvi salvar todas elas e pude conferir um dos finais mais lindos que já assisti em um game.

Bioshock possui toda uma trama que realmente consegue te envolver, não darei nenhum spoiler dela, só que, fique certo, ela lhe fará soltar um "PUTAQUEOPARIU" em vários momentos.

Você vai descobrindo aos poucos o que aconteceu na cidade através de diários gravados, escutando depoimentos e juntando, por conta própria, o quebra-cabeças da trama, fazendo você mergulhar ainda mais no jogo.

Para vocês terem mais ou menos uma idéia de como o jogo se desenrola, confiram este trailer dele:



-

Bem, é isto pessoal, mais do que recomendado, é um jogo que vale a pena você comprar o DVD (ou Blu-ray, caso você jogue num PS3 original). E é bom ir jogando logo, pois Bioshock 2 está chegando agora em 2009!



Mensagem subliminar:
Would you kindly comment?

9 comentários:

Nandim Rodrigues disse...

Mes que vem eu pego o PS3. Embora existam muitos games que são prioridades, penso em algum dia comprar Bioshock.

Resta saber se ele é melhor que Resistance 2.

Thyago disse...

Bioshock e Resistance 2 são jogos bem diferentes, apesar de serem shooters.

Bebs disse...

Caramba Thy, Bioshock é demais mesmo, né?! E os cenários então, eu fico babando de tão bonitos. =)

Também achei lindo o final que se ganha salvando as Little Sisters! Principalmente a última cena (a das mãos, não posso falar mais se não é spoiler heheh).

Espero ansiosa pelo Bioshock 2.

Thyago disse...

tomara que o próximo bioshock tenha big daddies diferentes, além dos que nós já conhecemos.

tipo, uns 4 ou 5 tipos ficava bom :P

Bebs disse...

Dizem que já é certo um Bioshock 3 e que pretendem lançar junto do filme, em 2010. Cara, tomara que façam direito, porque é uma história com potencial pra virar um grande filme. =)

Thyago disse...

vc nao viu as noticias rebeca?
os produtores querem fazer 6 BIOSHOCKS!
6!!!!!!!!
meu medo eh fazerem uma merda no processo

Bebs disse...

6??????????? WTF???????

Poxa, eu não tinha ouvido essa. Também fiquei com medo agora, porque quando começam com essa de fazer mil continuações geralmente estragam mesmo... ¬¬º

É que nem Lost, tô com um medão de os próprios autores terem se perdido na maionese que criaram e não saberem como finalizar a série de maneira coerente e surpreendente. =(
Mas pelo menos ainda tá bom.

PH disse...

Muito bom review!

Fikei com uma dúvida... qual o tempo médio de duração do jogo? Vc disse q fikou 4 dias preso ao game... zerou em apenas 4 dias?

Thyago disse...

O game tem uma duração média de 15 horas.
Sim, terminei em 4 dias XD