domingo, junho 07, 2009

Homem ou mulher, qual o mais infiel?

20060808031502

Segundo uma pesquisa realizada em 2003 pela USP, 50% dos homens casados já pulou a cerca, contra 22% das mulheres. O motivo? São vários; hormônios, cultura, oportunidade... Mas será que são os homens que realmente traem mais, ou as mulheres que escondem o que fazem?

No Brasil vivemos durante anos a cultura do machismo, na qual o homem podia fazer tudo e a mulher nada. Éramos obrigadas a ficar em casa cozinhando enquanto o marido trabalhava e se divertia com os amigos depois do trabalho. Ao longo do tempo essa situação foi mudando e é fato que a mulher ganhou o seu espaço nessa sociedade machista, que vem sendo extinta gradativamente.

Começar um relacionamento é, a meu ver, assumir um compromisso com o outro e consigo mesmo, é se dispor a ser fiel para receber fidelidade e confiança em troca, ao invés disso, o que costumamos ver são casais que se separam por infidelidade de uma das partes, ou das duas. Com o tempo, todo relacionamento vai caindo na rotina e se desgastando, talvez esse possa ser um doa motivos que leva a uma das partes a ‘pular a cerca’. A questão aqui é porque, segundo a cultura popular e a pesquisa anteriormente citada, os homens são os mais infiéis da relação?

O homem possui um hormônio chamado andrógeno, esse hormônio é muito mais ‘potente’ que o da mulher (estrógeno), isso pode fazer com que, em uma festa, ele não consiga ceder aos ‘desejos da carne’ e acabe sendo mais vulnerável a uma mulher bonita que dá mole, do que a sua companheira, que encontra muitos homens bonitos e atléticos, mas sempre que eles dão em cima dela, pensa logo no amado e dá o fora no bonitão, sem sequer se arrepender. Por outro lado, existem as ditas piriguetes, que são aquelas meninas que querem pegar geral, mesmo. Não se importam se o homem é comprometido ou não, apenas querem curtir o momento, garantir uma boa noite de transa e ir para casa de carro.

Um outro fato que pode ‘favorecer’ esse índice maior para os homens é que a mulher, como já foi dito, não pensa tanto com o lado carnal. Uma mulher pode passar muito tempo sem transar e não sentir tanta necessidade disso, já o homem não, transar para ele é quase tão necessário quanto às necessidades fisiológicas.

Agora, vamos à cultura. No Brasil, principalmente, os meninos são educados desde criança para serem pegadores, brutos. Os pais colocam na cabeça dos filhos que ser delicado e romântico não é coisa de macho. Homem que é homem tem que ser pegador, perder a virgindade cedo e ter sempre milhares de mulheres atrás dele. Isso não é cultivado somente pelos pais, o gênero, mas pelas mães também. Em muitas famílias onde existem filhos homens e mulheres, é a menina que faz os serviços de casa, que ajuda a mãe a lavar os pratos e arrumar a casa, enquanto o menino fica assistindo televisão, porque arrumar a casa é tarefa de mulher! Coisa mais absurda!

Outro fator que pode ter influenciado isso de os homens serem taxados como os traidores é que eles admitem mais facilmente. Alguns até se orgulham de falar para os amigos que pegou uma mina na festa. Já a mulher morre de vergonha de admitir que traiu! Quando o faz tenta esconder de todas as formas, faz muito bem escondido, planeja tudo direito. Isso porque a mulher, geralmente, quando trai, é porque a relação já não é a mesma, o companheiro já a trata diferente. Na maioria das vezes, quando uma mulher trai é porque se envolveu com o amante, porque gosta mesmo dele, tem sentimentos, e não é algo só carnal. (Tudo que eu falo é relacionado à “maioria”. Gostaria de deixar claro que existem casos e casos e milhares de exceções). Ou também traímos para nos vingar, mas aí já fomos traídas antes, então não sei se poderia contar ponto a nosso [des]favor.

Bem, são casos e casos. Apesar de ter aparentado isso, eu não defendo nenhum dos lados, já que acho a traição o fim. Se você não está satisfeito com o seu parceiro, termine. Não adianta falar que ama, mas que quer diversificar de vez em quando. Quando se ama verdadeiramente, você se satisfaz e só tem olhos para essa pessoa. Quer diversificar? Peça a(o) seu/sua companheiro(a) para se fantasiar, ou algo assim, duvido que a pessoa terá receio de fazer isso. Conversar e explicar a situação, nesse caso, sempre ajuda.

1 comentários:

Nuelo Perdido disse...

Não castigue tanto o Brasil, macheza,o homem predador é fator cultural universal , o feminismo machista capenga só fez valorizar mais isso numa disputa totalmente nonsense. Homens perdido nas referencias e mulheres usando a recém "liberdade" para dar o troco.

Sobre a questão de fidelidade:

"Outro fator que pode ter influenciado isso de os homens serem taxados como os traidores é que eles admitem mais facilmente."

Na verdade é aí que mora o segredo, é a afirmação, seu espaço no mundo masculino, ser alpha, o macho alpha.
Muitos refutam que homens traem mais, e sim de que as mulheres disfarçam melhor, eu não acredito nisso. Porque a infidelidade dá um status de masculinidade aos homens, para eles se gabarem nas mesas de bar com os amigos. É com o ar aventureiro que o homem ainda tem tentado manter seu espaço, já que as mulheres cada vez mais tem tido destaque em várias áreas.
Já as mulheres em geral preferem ficar descompromissadas para assumirem seus ideais de independência da era pós-feminista. Ela tem consciência que pode ser desclassificada, desvalorizada, e não só perante a sociedade, mas quanto a si mesma. Vejam o caso de Carrie da série Sex and City , ela vive o dilema de se entregar e perder a tal independência feminina conquistada ( lembrando que a série é americana, mas que os valores atravessam fronteiras agora numa velocidade impressionante)e ao mesmo tempo ela não quer usar essa independência para "transar como os homens" seu adjetivo para sexo superficial – Olá! Prazer, Meu nome é Sexo e o seu? Ai Ai.(.......) Bye Bye- .
Já no lado psicológico, a fantasia está nos dois lados, com o mesmo peso, e para fidelidade se estabelecer é bom respeitar a identidade sexual do outro, não há escapatória. O jeito e se valorizar, compreender outro e compartilhar.

"Todos vivemos divididos entre o que revelamos e o que vivemos secretamente, como mostra Tarja Negra, a peça de Contardo Calligaris. Trata da impossibilidade de fundar a identidade subjetiva na identidade sexual e mostra que, além da identidade oficial, nós temos uma identidade sexual secreta
A fidelidade absoluta é um ideal que raramente se cumpre e isso é decorrente da nossa disposição para imaginar. Uma disposição que explica o caráter errático do desejo, que passa de um objeto para o outro e pode nos impedir de cumprir as nossas juras de amor." Por Betty Milan, Psicanalista e colunista de VEJA.


Quanto as questões hormonais, psico-fisiologicas , o homem consegue ser estimulado facilmente com o contato visual, daí para segurar o ímpeto ( principalmente se o danado ficar tremendo nas calças) é bem mais complicado, podem chegar a situações constrangedoras.Já a mulher é sensível ao toque, por isso se avistar " Cara gostosão, perigo" já evita o esfrega esfrega. Quem assistiu um dos maiores programas da Televisão Brasileira : “Teste de Fidelidade”, sabe bem o que eu estou dizendo.

Meu blog : http://www.nueloperdido.blogspot.com/