segunda-feira, julho 20, 2009

Jogos que foram importantes para mim da era 16-bit




Eu não sei vocês, mas esta foi para mim a melhor época dos videogames. Todo blog que fale de games que se presa reconhece a importância desta era, a qual tanta gente ama (eu inclusive). A maioria dos gamers atuais teve o seu primeiro contato com os games nesta época.

Daí, resolvi listar alguns dos games que tiveram tanta importância para mim, tanto do Mega Drive quanto do Super Nintendo. Porém, tenho uma coisinha a dizer a vocês.
O contato que tive com os videogames nesta era foi através das locadoras. Nunca fui dono de um Super Nintendo ou de um Mega Drive e só pude jogar estes jogos quando ganhei um computador, graças aos emuladores.

Pois é, para meus pais o meu Master System era mais que o suficiente. Só fui ter um videogame novo com o Playstation 1. Mas antes do PS1 eu tive um computador (um Pentium II 233 MHz com 3 Gb de HD) e nele eu fiz questão de jogar o máximo que eu pude de jogos do SNES e do Mega Drive.

Portanto, vamos lá ver os jogos que eu tanto gostava, mesmo jogando eles por emuladores ou tendo apenas uma hora para terminar a partida e só poder continuar a jogar no dia seguinte, ou no outro final de semana.
A hora era 1 real, e 1 real para quem tinha entre nove e dez anos na minha época era muito.



SONIC 1 e 2



Ah, quem foi gamer nos anos 90 conheceu o ouriço. Graças a toda a campanha de marketing da SEGA tínhamos a imagem desse personagem estampada por todos os cantos. Sempre fazendo uma pose e com o indicador à mostra fazendo um "não" por NENHUMA razão aparente, ele encantava todos os pivetes.
Aliás, eu chegava na locadora, pedia com a minha língua enrolada que "quelia jowgar o Sôniqui" e ficava tentando chegar na terceira fase. Eu tinha uma atração fatal pelos poços de lava da segunda fase.

Eu era muito leproso quando era moleque.
Depois, um amigo meu ganhou um Mega Drive e junto com ele, Sonic 2. Não preciso dizer que praticamente todo dia eu estava indo para lá jogar com ele tentando terminar o jogo.
Sim, ele também era muito leproso quando era moleque.
A gente tinha uma dificuldade ainda grande em terminar o jogo, já que chegávamos na fase das cavernas com uma vida e sempre quem tinha uma vida restando caía num buraco cheio de espinhos.

Mas um dia a gente FINALMENTE conseguiu terminar aquela porra sem precisar fazer a trapaça do sound test (você sabe de qual eu estou falando) e conseguimos matar o robô-gigante-obeso-robotinik-com-espinhos-nas-mãos.

Mas não pegamos todas as esmeraldas e tivemos que suportar aquele gordo safado do Robotinik rindo da nossa cara no final.

STREETS OF RAGE



Este foi outro jogo que joguei na casa desse meu amigo. Ele o alugou e a gente resolveu tentar terminar este jogo naquele final de semana mesmo.
Não preciso dizer que dois pivetes que mal conseguem terminar Sonic 2 levaram uma surra descomunal em Streets of Rage.

O interessante era o quanto a gente apanhava neste jogo de TODO mundo. Parecia que a gente queria testar quanto da nossa barra de life cada soco iria tirar.
Streets of Rage tinha a história mais manjada do mundo: todo mundo na cidade está envolvida com o crime organizado, inclusive o prefeito. Como resolver isto? Andar pela rua metendo o sarrafo nos bandidos, óbvio.

Sem falar que neste jogo contávamos com a ajuda mais foda de todos os tempos: um cara que chegava num carro de polícia e simplesmente ATIRAVA COM UMA BAZUCA, matando todos os inimigos da tela e retirando uma boa bagatela de vida dos chefes.

E eu me impressionando com a metralhadora com serra elétrica de Gears of War. Blé.

METAL WARRIORS



Metal Warriors é um jogo que consiste basicamente no seguinte: robôs caindo na porrada! Eu sei que tem uma historinha toda envolvida, com algumas reviravoltas, mas quando eu jogava esta pérola na locadora ninguém tinha tempo de ler porcaria nenhuma, era apertar start e começar a atirar em qualquer coisa que se mexesse.

Sem falar que eu não sabia NADA de inglês, eu sabia aquele inglês basicão de locadora, que só conhece o "um prêier", "dois prêiers" e o "passiuôrdi".

Mas um fator legal deste jogo era o fato que você podia sair do seu robôzão e com um jetpack nas costas e uma metralhadora nas mãos trazer o terror para o mundo. Claro, isto até que alguém aparecesse num robô gigante e acertasse suas fuças com tiros de metralhadora cujas balas tem o tamanho do homenzinho que você controla.

Aliás, sempre que você saísse do seu robô, qualquer outro inimigo humano poderia entrar nele e usá-lo contra você! Isso era especialmente perigoso quando é necessário passar por espaços que seu robô não entra e quando você volta ele já te espera atirando pra tudo que é lado.

Uma outra característica deste jogo eram os diferentes tipos de robôs que estavam disponíveis para serem usados. Eram apenas seis, mas bastante variados e interessantes. Começamos com o Nitro, que é um robô capaz de voar, possui um rifle de plasma e um escudo de plasma, além de um lightsaber. Isso mesmo, a porra de um robô gigante com um Lightsaber e que não é controlado pelas bichinhas do Gundam Wing. Depois somos apresentados a outros robôs, mas falarei com mais detalhes sobre este jogo no futuro.

DONKEY KONG COUNTRY



Também foi um jogo que eu conheci pelas locadoras e só tinha uma horinha para terminar ele. Engraçado que nesta época uma hora de jogatina já era o suficiente pra gente aproveitar bastante um jogo. Pena que nunca era o suficiente para terminar ele.

E também não adiantava muito você salvar o jogo, já que sempre vinha um safado e apagava o seu jogo salvo assim que ele ocupasse o seu acento.
Então era certeza você jogar sempre as primeiras fases várias vezes.

Eu joguei as primeiras fases de Donkey Kong trilhõõõões de vezes. Tantas vezes que sei quando e onde vai aparecer cada inimigo, sei até mesmo aquela trapaça de "teletransporte" que tem logo no primeiro "mundo" para passar umas 3 fases de uma vez.

Quem é das antigas sabe dessa trapaça.

Enfim, Donkey Kong é um jogo que consiste em dois macacos matando um monte de jacarés porque roubaram as reservas de bananas do Kong. Roteiro profundo com reviravolta MY BIG WHITE ASS.

É um dos games de plataforma mais divertidos que já foram feitos até hoje, além de ter uma ótima trilha sonora (como as da fases submersas) e belos gráficos. Se você ainda não tocou nele, vá primeiro pedir perdão por este pecado e depois dar um jeito de pegar ele.

MEGAMAN X



Ah, o começo de uma série de games que tenta dar um ar mais "sério" ao robô azul que todos conhecem, mudando até mesmo o nome dele de "Megaman" para "X".
Além neste game somos apresentados a um dos melhores personagens da série: ZERO! Eu sou uma das pessoas que preferem jogar com o Zero do que continuar a jogar com o X, pena que só tivemos esta opção no terceiro game da série (o qual só pude jogar por emuladores).

Neste jogo, X precisa enfrentar uma rebelião de reploids denominados "Mavericks" liderados por Sigma, que tem um exército de animais em forma de robô, como pinguins e lulas.

Claro que numa guerra ter animais robôs participando dela faz todo sentido.

Este é o primeiro game a começar a usar outros upgrades além das armas que pegamos dos chefes. Agora temos os sub-tanks que armazenam energia que pode ser usada para recuperar a energia que você perdeu e também podemos fazer upgrades em determinadas partes do corpo, montando uma armadura no corpo do X.

Claro, como eu já disse antes, eu era uma criança leprosa e a única parte de armadura que eu pegava (antes de todas as minhas vidas acabarem) era a dos pés porque você TEM A OBRIGAÇÃO de pegar elas se você quiser avançar na fase do pinguim.
Bons tempos.

BREATH OF FIRE 1 E 2



Estes daqui eu só pude pegar quando ganhei meu computador.
Breath of Fire é um EXCELENTE RPG feito pela CAPCOM (na época que ela não vivia de recauchutar os mesmo jogos exaustivamente... se bem que nesta época já tinha o Megaman 7) e foi o primeiro que eu peguei quando eu comecei a entender melhor inglês. Apesar disso, nunca terminei nenhum destes dois jogos.

"Mesmo usando o Save State Thyago?"

Sim, mas nem era porque eu não conseguia terminar o jogo pela sua dificuldade (que era bem safadinha, diga-se de passagem.), mas sim porque naquela época eu perdia o interesse no jogo rapidamente se ele não fosse de ação.

Sim, não terminava por pura safadeza minha mesmo.

Enfim, neste jogo controlamos Ryu, que é um descendente do clã dos dragões que desapareceu porque... essa é uma parte da história que nunca realmente entendi. Como você faz parte de um clã que se transforma em DRAGÕES e esse povo simplesmente é QUASE EXTINTO?

Enfim, sempre nos envolvemos numa aventura para salvar o mundo, faz um tempão que eu joguei estes jogos e não lembro quase nada da história.

SEIKEN DENTSU 3



Ah, este jogo é um dos MELHORES JÁ FEITOS para o SNES. Eu o acho melhor que Final Fantasy 6. Sim, eu disse, tem RPG MELHOR QUE FINAL FANTASY.
Me processem.

Neste jogo, você pode escolher entre 6 personagens para fazer um grupo de 3. Cada um deles tem uma história própria e o que você escolher primeiro será o personagem principal do jogo. Dependendo de quem você escolher, a história irá mudar, assim como o final dela.

Mas não é só isto. Há uma diferença de noite e dia, em que os monstros que você enfrenta mudam ou ficam mais fortes. Além disso, entre os personagens que você pode escolher está Kevin, um LOBISOMEM que de noite toma sua forma de... lobisomem.

Apesar de ser um RPG, não existe turnos nem "mudança do cenário" para o começo de uma luta. É tudo em tempo real (menos quando você escolhe algum item para usar) e é necessário sempre tomar cuidado com o tipo de grupo que você forma. E é aí que entram as mudanças de classe.
Cada personagem tem a opção de mudar de classe nos níveis 18 e 36. Cada personagem tinha a opção de mudar entre duas classes e na segunda mudança tinha a opção de escolher entre outras duas classes, q variam dependendo da primeira escolhida. Não existe "opção ruim", cada uma é uma evolução diferente que você deve escolher dependendo do tipo de jogabilidade que você quer ter.

Além disso, ao passar de nível você pode melhorar um ponto de qualquer um dos atributos do seu personagem, permitindo que você o evolua da forma que quiser, apesar de cada personagem ter alguns atributos que se destaquem mais, como a vitalidade do Kevin e a destreza do Hawkeye.

E nem tinha outro jeito de tocar este jogo sem ser atraves dos emuladores, já que ele nunca foi lançado aqui no Ocidente. A tradução dele para o inglês foi feito por um grupo de tradução de roms cujo nome não me lembro agora e ele teve sua tradução para o português quase concluída pelo extinto grupo Hexagon. Uma pena que ela nunca foi terminada.

CHRONO TRIGGER



Acho que eu já deixei mais do que claro o meu amor por esta série. É considerado um dos melhores jogos já feitos na história, tanto em enredo quanto nos seus gráficos, além da excelente e funcional jogabilidade.

Chrono Trigger conta a história de Chrono, um garoto que acorda numa bela manhã de sol para ir ao festival do milênio da sua vila, já que eles estava chegando ao ano mil da era deles. Nesse festival, ele encontra a bela Marle que se oferece para participar do experimento de Lucca, amiga de Chrono, que está testando um teletransportador que acidentalmente se transforma numa máquina do tempo graças ao colar que Marle levava consigo. Ao entrar no portal aberto pela máquina do tempo, Chrono descobre que Marle foi levada ao castelo pois foi confundida pela princesa Lena, que estava desaparecida...
...
...
Acho que estou falando demais já da história do jogo. Desculpem, quando falo deste game meu lado fanboy é despertado.

Enfim, quanto a jogabilidade o game assume aquele velho jeitinho de uma ATB (Active Time Battle), que consiste numa barrinha que quando fica cheia permite que seu personagem tome uma ação, que pode ser atacar, usar uma técnica (ou magia) ou usar um item. Caso mais de um personagem esteja com a sua barra de ATB cheia, é possível executar ataques duplos ou triplos.

Também é possível realizar viagens no tempo e com isto alterar eventos do futuro. Um bem conhecido é o de deixar o Robot (um dos personagens do seu grupo que é um... robô. Com um nome desses você queria que ele fosse quem? Shiva? Are-baba!) no passado para restaurar uma floresta que se tornou um deserto. Quando você viaja 400 anos para o futuro, vê onde no local do deserto uma belíssima floresta e um santuário onde Robot está guardado.

Este jogo também possui uma versão totalmente traduzida para o português pela extinta CBT (É O NOOOOVO). Você poderá encontrar a ROM traduzida na maioria dos sites brasileiros que distribuem ROM's pela internet.

Este game tem nada menos que 11 finais (dos que eu soube, se tiver mais digam nos comentários), dos quais eu só consegui fazer 7 deles. Possui um elevado fator replay e uma das melhores histórias que já vi.

E a história mesmo pode ter suas mudanças. Aliás, você pode até mesmo matar o Chrono em certo ponto da história e você pode decidir se quer ou não evitar que isto ocorra.

Simplesmente, foi o melhor jogo que já toquei na minha vida. Vocês não sabem o quanto eu quero um DS só pra jogar nele este meu querido jogo de novo.

Bem pessoal, foram estes os games que tiveram mais importância na minha infância. Eu sei que cada um desses jogos mereciam um post só para eles, mas não se preocupem, num futuro próximo cada um desses jogos terão o review que eles merecem.

Tenho certeza que vocês também tem aquela listinha de games que foram especiais na sua infância. O espaço dos comentários está aí para vocês nos falarem deles.
E na próxima semana, pretendo falar dos games de PC que foram importantes para mim!
Até!

5 comentários:

Jasque disse...

jogo sonic ateh hj =]

no fliperama um q eu jogava mt era double dragon(o de luta)

mas eu era mt sux rsrs

eu tb so tinha master system 3 super compact... ainda lembro de california games, summer games... nossa adoro aquele da ginastica rsrs

B-prime disse...

eu comecei com o snes (eu tinha um dynavision antes mas nem jogava) e metal warriors era o melhor multiplayer e me orgulho de ter "zerado" os 3 donkey kong, pena que na época eu não gostava de RPG então perdi muito jogo histórico (joguei alguns por emulador tbm) e, só pra constar, nunca gostei de sonic e magamen (esse por trauma da dificuldade)...

Diego disse...

otima epoca essa XD
eu tbm passei um temapo jogando em locadora ate ganahr meu super dae ia pra locadora jogar n64 e preistaicion XD pena que ainda so leproso
asahsuashuasha
bom tbm jogo muitos emuladores e felismente tenho um ds lite XD
aiaiai nunca terminei breath 1 e 2 apesar de gostar bastante
sobre chrono achu qeu sao 13 finais e eu ja fiz todo no remake do playstation e tbm no emu do pc
sonic eu simplismente adora
metal warrios eu naum conhecia e nem esse otro que vc falo
vo ate dar uma bizucada por ai se puder posta uns links rapidos pra facilitar XD
realmente foi a melhor epoca dos games XD

Bebs disse...

Todos clássicos que eu adoro!

Mas desses aí os que mais me marcaram naquela época foram Streets of Rage e Donkey Kong! ^__^

marcio disse...

ei adorei seus comentaria e poxa valeu pelas dicas ok meu nome e marcio e horkut e marcio2henrique@hotmail.com add la valeu