quinta-feira, outubro 23, 2008

Sonic, o que aconteceu com você?


Olá pessoal, hoje eu venho aqui falar de um personagem de games muito conhecido por todos vocês! Isso, graças à SEGA que lançou oficialmente, junto com a Tec-Toy, o Mega Drive no mercado tupiniquim. Estou falando de Sonic, o porco-espinho (alguém aí, quando olha pro Sonic, enxerga nele um porco-espiho? Eu não...) azul que é superveloz. Claro, quando você olha para um porco-espinho, a primeira coisa que vem à sua cabeça é velocidade certo?

Enfim, apesar de o personagem não fazer muito sentido (um porco-espinho azul que corria rápido, WTF?), ele foi um personagem de MUITO sucesso, se tornando o mascote da SEGA para concorrer diretamente com o mascote da concorrência, o Mario (faça você mesmo a piada do armário).


Sonic ganhou fama de forma bastante avassaladora. Principalmente pelo fato do console da SEGA ter sido lançado antes do novo console da Nintendo, o Super Nintendo (no começo dos anos 90, todos os produtos tinham Super no nome. Super-Lavadora Brastemp, Super-Ventilador Arno, Super-Fogão de duas bocas Esmaltec, tá, eu inventei o último, mas você entendeu). Enquanto os jogos da Nintendo ainda possuíam gráficos 8 bits, o console da SEGA já estava na geração dos 16 bits. Para você ver a diferença, olhe o jogo do Mário do NES e compare ao gráfico do Sonic do Mega Drive. Para nós, os gráficos do console da SEGA era uma verdadeira revolução.

Mas voltemos a falar do Sonic.


O seu primeiro jogo, Sonic the Hedgehog, lançado em 1991, foi um marco para muitos gamers da época. Finalmente, podíamos jogar em cenários com um pouco mais de detalhes e possuía uma jogabilidade muito divertida.Cada fase tinha 3 sub-fases (chamadas de "Act", ou traduzindo para o português "Ato") e no final da terceira Sub-fase você enfrentava o Dr. Robotinik, cientista maluco que não tinha PORRA NENHUMA PRA FAZER, daí ele pegou um monte de animais da floresta e os transformou em robôs. Seria mais simples se ele simplesmente fizesse um robô, mas não, ele tinha que pegar bichinhos fofinhos da floresta como coelhinhos, esquilos e fofuras em geral, transformá-los em robôs muito úteis (afinal, eu também sempre quis ter um caranguejo que se move lentamente e que pode me matar ao lançar de suas garras bolas de energia) e deixar eles espalhados por aí.

Sempre que você enfrentava o Dr. Robotinik, ele aparecia em uma máquina diferente, o que era uma ótima característica desse jogo. Era sempre um robô diferente do outro, que pedia que você desenvolvesse algum tipo de estratégia ao enfrentá-lo.

Durante o jogo você encontrava alguns itens, como os anéis que se você juntasse 100 delas te davam uma vida e televisões que poderiam dar mais anéis, ou então velocidade (caso você acertasse uma que tivesse o desenho de um sapato vermelho) ou uma vida (caso tivesse o desenho do Sonic nela) e por fim, um escudo (caso você acertasse uma tv com o desenho de uma bola azul). Caso você terminasse a fase com mais de 50 anéis, você poderia entrar nos estágios bônus nas quais você deveria pegar uma esmeralda, necessárias para você completar o game de forma completa e não precisar ver um gordo safado jogando as pedrinhas para um lado e para outro, como quem dissesse: "Você é um merdinha, nem pra pegar umas pedrinhas você serve!".

O jogo, claro, foi um sucesso. E como todo sucesso, vieram as sequências. Naquela época, quando você via que um jogo ia ter uma sequência, você SABIA que ela iria ser melhor que a anterior. E assim veio Sonic the Hedgehog 2.



Desta vez você tinha como parceiro Tails, ou "a raposinha", como todo mundo da locadora que você jogava chamava. Ela (ou ele) copiava todos os seus movimentos e se você colocasse um controle na entrada do segundo Joystick, um amigo seu poderia controlar ela também. O jogo era, fundamentalmente, a mesma coisa do antecessor, com a diferença de ter gráficos melhorados e de você agora poder dar uma pequena "acelerada" (pressionando baixo+pulo, você podia ganhar velocidade e sair rolando pelo jogo, uma adição que realmente fazia falta no primeiro game). As fases também eram um pouco maiores e os chefes um pouco mais difíceis que o antecessor. Neste jogo, foi introduzido simplesmente aquele que acho o melhor inimigo do Sonic, a sua versão robotizada (conhecido pela pivetada da locadora como Sonic de ferro).

E assim tivemos a terceira sequência, Sonic the Hedgehog 3, que introduzia o personagem Knuckles, uma equidna vermelha. Sério, os criadores dessa série deviam se fuder em biologia na escola. Pelo jeito nunca viram uma equidna na vida.



Este apresenta também melhorias gráficas, mas não tão sensíveis como foram as mudanças do Sonic 1 para o 2. As fases eram bem maiores (algumas levando quase 7 minutos para ser completadas, acredite, naquela época era um sacrifício você demorar mais de 5 minutos numa mesma fase) e possuíam desafios mais variados, como o de se pendurar por uma cordinha e descer segurando num trapézio. Sem falar que era possível finalmente voar com o Tails (raposas voam, aham...) e os escudos agora eram de 3 tipos. Um era de fogo, que permitia que você desse um grande avanço para frente, destruindo quanquer eventual inimigo, o outro era o de eletricidade, que lhe dava um pulo duplo e lhe protegia contra algum tipo de projétil que o inimigo lançasse contra você e o último era a bolha, que permitia você quicar e também deixava você ficar submerso por tempo indeterminado. AH, isso me lembrou uma coisinha.

Desde o primeiro jogo do Sonic, havia um tipo de fase que era simplesmente o terror para os pequenos pivetes de 9 anos das locadoras. As fases submersas. Além do fato de você perder toda a velocidade característica do personagem, você também corria o risco de morrer afogado. E quando começava a contagem regressiva para isso, tocava uma musiquinha que lhe garanto que te dá calafrios até hoje só de escutá-la:



Pouco tempo depois, a Sega lançou uma pequena "expanção", que era Sonic and Knuckles, que permitia você jogar com o personagem Knuckles, que no Sonic 3 era apenas um vilão. Este jogo tinha um cartucho diferenciado. Nele era possível ligá-lo a um outro cartucho da série, sendo assim possível você jogar com Knuckles no Sonic 2 e no 3. Quando você ligava ao cartucho do Sonic 3, era assim iniciado o enorme Sonic 3 and Knuckles, sendo que você jogava continuamente com qualquer um dos três personagens (Sonic, Tails e Knuckles) continuamente desde o começo de Sonic 3 até a última fase de Sonic and Knuckles.

Eu fiz questão de falar destes 3 jogos porque eles marcaram época para mim. Eram jogos extremamente divertidos e acessíveis para qualquer pessoa jogar.

Porém, isso tudo acabou.

Não que a franquia tenha simplesmente acabado. Longe disso, Sonic terá novos jogos sainda para todas as plataformas. O problema é que todos os jogos lançados para o Sonic, recentemente, sem exceção, foram uma merda misturada com mijo de vaca completa.

Você pode me dizer: "Ah Thyago, seu nerd saudosista reclamão, você diz isso porque não aceita que Sonic seja agora lançado para jogos em 3D".

Não, pelo contrário, já foi até provado com Sonic Adventure, do Dreamcast, que podemos sim ter um ÓTIMO jogo do Sonic em 3D.



Porém, aparentemente as pessoas que fazem parte do Sonic Team (equipe responsável pelo desenvolvimento dos jogos do ouriço) desaprenderam a fazer jogos bons. Sério, é um pior que o outro, sempre tentando enfiar goela abaixo da gente uma história infantil sem pé nem cabeça e uma enxurrada de personagens novos aleatórios que ninguém sequer conhece, como este aqui.

Eu me lembro quando comprei Sonic Heroes, um jogo que permitia você jogar com três personagens diferentes ao mesmo tempo, formando times. Dentre eles, haviam três tipos diferentes, o Speed (que era focado na velocidade), o Power (que era focado em utilizar-se de força física) e o Fly (que é focado na habilidade do vôo de determinado personagem). O jogo sofria de ser repetitivo, fácil demais, sofria de vários bugs e tinha um defeito que eu simplesmente acho que deveria ser banido dos jogos do Sonic: dublagens. Sério cara, me irritava demais ouvir as vozes dos personagens, uma pior que a outra, sem falar de um roteiro feito por criancinhas da quinta série, que sempre falam do "poder da amizade amiguxoooos".

Agora, parece que o personagem caiu no ridículo nos corredores obscuros da SEGA. A razão é o fato de, depois de vários jogos de qualidade péssima, estão tentando "inovar" o personagem. Para isso, deram a ele uma PORRA DE UMA ESPADA



Cara, sério, para o que diabos iria servir uma espada para o Sonic? De todos os personagens imagináveis dos games, ele seria o ÚLTIMO que precisaria de algum tipo de arma.

Sem falar que ele vai se transformar NUM FUDIDO DE UM LOBISOMEM



Cara, sério, para ser mais ridículo que isso, só se fizessem um jogo do Sonic em que você usa armas e anda de moto.


Oh, me desculpem, JÁ FIZERAM.



Alguém, por favor, dê um jeito de eliminar o Sonic Team.





5 comentários:

Eduardo disse...

Sonic não é um porco espinho, é um ouriço.
E Sonic Heroes fede muuuuuuuito, argh, só de lembrar que toda vez que vc batia em algo o jogo ficava com slowdowns >__>
E aquele Sonic pra PS3/360 também era ridículo... Ele se apaixonava por uma princesa HUMANA! E ficavam juntos! Malditos japoneses zoofilos!

Thyago disse...

ouriço, porco-espinho, mesma bosta

Ryan disse...

soh uns adendos:

1 - todos odeiam fases submersas, naum importa o jogo, elas são obra do cão @_@

2 - naum eh o sonic q tah na moto, eh o shadow, mas o jogo de fato eh uma bomba incrivel

:D

Julianita disse...

Tadinho do Sonic : (

Jasque disse...

so lembrando que o escudo da eletricidade atraia os aneis xD

deviam fazer jogo do super mario bros Z xD