terça-feira, março 03, 2009

Porque a Libertadores é diferente?

tricolor-torcida

2005. Um São Paulo histórico que tinha nomes como Cicinho, Lugano, Mineiro, Josué, Danilo e Amoroso conquista uma Taça Libertadores e, alguns meses depois, o Mundo. Sou fanático por esse time e confesso que comemorei mais, gritei mais e fiquei mais feliz com o torneio continental.

2009. Inicia uma nova Libertadores da América que, nos últimos quatro anos, sempre contou com times brasileiros na final. Nossas equipes contratam cada vez mais jogadores das principais equipes sulamericanas, e ao que parece a época de profissionalismo que a "era dos pontos corridos" propiciou aos nossos times no deixou na vanguarda do futebol no continente.

Mas as principais equipes brasileiras estão com dificuldades no início da competição. São Paulo empata no sufoco contra o inexpressivo Independiente de Medéllin, Grêmio empata em pleno Olímpico com o arroz de festa Universidad de Chile, Palmeiras perde duas seguidas – uma delas para o há muito pequeno Colo-colo. Por quê? Por quê a Libertadores é diferente?

0,,15473738-EX,00

O sistema

A Libertadores tem uma particularidade que a torna especialmente atrativa: seu formato de torneio. O ideal seria algo como a Liga dos Campeões, mas a América do Sul definitivamente não possui um leque de equipes qualificadas como a Europa.

Aliás, as que já tem, em grande maioria, não são de grande nível. Falarei mais disso adiante

Mas o sistema implantado aos cerca de 64 times participantes é por si só um atrativo. No mesmo formato da Copa do Mundo as equipes são divididas em grupos de quatro e os dois primeiros de cada um participam de um playoff. Onde o melhor primeiro colocado enfrenta o pior segundo colocado, e assim sucessivamente.

Apenas as melhores equipes, em cada país, dos torneios nacionais se classificam. Chegar lá, definitivamente, não é fácil. E, uma vez lá, você tem apenas seis jogos para deixar para trás duas equipes de três se não você está fora. As coisas parecem bem mais complicadas sob esta ótica, não? E são.

A Libertadores não tem moleza mesmo, um resultado ruim, até que vai, dois resultados ruins e um terço do que você podia fazer já era. E ainda existem os fatores complicadores, que não são poucos!

013220413-EX00

As Equipes Sulamericanas

Olha, sinceramente, o nível da sulamerica em termos de futebol está bem baixo. Se você desconsiderar o Brasil. As equipes argentinas estão afundando, o River teve a pior campanha da sua história ano passado, o Boca não está tendo uma renovação digna de seus áureous tempos e, fora essas duas equipes, as demais não entusiasmam ninguém.

Fora isso temos a LDU que apresenta um futebol burocrático e levemente técnico, os times mexicanos empurrados pela força da torcida e aplicando uma correria implacávele uma ou outra surpresa tática e até de sorte mesmo como foi o Once Caldas em 2004.

Então porque esse tópico? Para que citar as equipes sulamericanas nos grandes diferenciais da Libertadores se elas não são melhores que as demais equipes brasileiras não classificadas ou aquelas que disputam a Copa do Brasil?

Ah, meu caro. O grande ponto é que essas equipes quando enfrentam um clube brasileiro não buscam ganhar, apenas buscam impedir que joguemos! E eles fazem isso melhor do que qualquer um. Não têm vergonha de colocar os onze da intermediária defensiva para trás. Não têm vergonha de ter 30 finalizações contra se eles tiverem duas a favor.

Sabem porquê? Porque eles farão os dois gols e ganharão a partida.

Muito se fala que a dita catimba não existe mais, que o futebol não é mais um esporte de várzea e que isso ficou no passado. Ledo engano, ela existe e muito. Assim como existe o jogo violento, assim como existem as duas linhas de quatro que técnico nenhum no Brasil consegue furar.

O diferencial das equipes sulamericanas às equipes que jogam uma Copa do Brasil é que esses pequenos do Brasil estão jogando a partida da vida deles, a grande e talvez única chance de aparecer – estão fazendo um grande teste. As sulamericanas não, elas são equipes grandes de seus países, elas sabem o que estão fazendo. Se perderem, não será nem a primeira nem a última derrota deles – e elas já perderam o suficiente para saber o que fazer para que isso não aconteça novamente.

Eles são macacos-velhos, não são mortos de fome correndo atrás da bola para comprar um litro de leite para os 15 filhos no interior no Acre. São equipes tradicionais, que mesmo não tendo o porte financeiro dos grandes brasileiros, têm a manha de jogar em campos pesados, com grama alta e contra equipes extremamentes raçudas. São franco-atiradores de grande experiência.

20080507_flamengo_america

A desvantagem de jogar em Casa

Uma particularidade bem específica da Libertadores é que, nem sempre, é de grande vantagem jogar em casa. Veja os três exemplos iniciais deste artigo: Grêmio, São Paulo e Palmeiras são alguns dos favoritos a ganhar essa edição da Taça; até porque jpa o fizeram em outras ocasiões – o São Paulo mais que todos, caham. E nas suas estréias em casa nenhum venceu, o Palmeiras perdendo de 3 a 1 para o Colo-colo, inclusive.

Isso acontece por uma questão de, também, experiência dos menores da América do Sul. Até o ano passado ou retrasado o São Paulo sustentava uma invencibilidade histórica de cerca de 12 anos no Morumbi em Libertadores, mais de 30 partidas. E na primeira partida desse ano empatou. Isso aconteceu, justamente, por culpa desse São Paulo! Aliás, daquele São Paulo de 92/93/94.

Chegando a três finais seguidas e levando a torcida ao delírio o São Paulo mostrou para o Brasil que a Libertadores era, sim, um grandioso negócio para o clube, para os torcedores e para os patrocinadores. E também despertou a atenção das demais equipes do continente, que viram o crescente domínio brasileiro em seus campos. Como evitaram isso? Retranca máxima!

Como disse, quando estão em um Morumbi, em um Olímpico, em um Mineirão ou em um Parque Antártica eles nâo têm vergonha de jogar todo mundo para trás e apenas esperar o time cansar de perder a bola na intermediária ou cansar de jogar na área onde eles marcarão na proporção de 3 para 1 e ganharão todas.

E esperarão a equipe fazer isso até o time cansar e até os zagueiros se mandarem para a área para tentar equilibrar a proporção e buscar um gol na jogada aérea. E o que eles fazem quando isso acontece? Contra-ataque homem a homem e, pimba, gol. Agora redobre aquela retranca e você terá uma derrota em casa.

Mas como escapar disso? Bem, é fácil, mas nem tanto. É só fazer um gol cedo. Eles querem pelo menos um empate, perder não é jogo, mesmo se estiverem jogando contra o melhor do grupo – a não ser que estejam em fim de fase e queiram um saldo bom para se classificar. De uma forma ou de outra vão ter que sair, e quando isso acontece, é goleada. Eis o motivo para que o Cruzeiro tenha goleado em sua estréia.

Não tem meio termo em casa: Ou você empata, perde ou ganha de goleada. A não ser que faça um gol salvador nas últimas que livre do empate. Anyway, vocês me entenderam.

Agora, fora de casa e em playoff a coisa é diferente. Pode ver, quase todas as Libertadores o Boca Juniors se classifica nas últimas das últimas e todos pensam que o time enfraqueceu, não é mais o mesmo. Quando menos esperamos, ele ganha.

Isso acontece porque na fase de grupos seus adversários se fecham ao máximo, o quanto podem. Não buscam jogar futebol, buscam impedir que se jogue – claro, sempre foi assim, destruir é muito mais fácil do que construir, impedir é muito mais fácil do que ir. É histórico.

E quando chegam os playoffs, essas equipes têm que pelo menos tentar sair, tentar jogar alguma coisa. Tentar criar algo. É aí que fazem merda lá na frente, deixam espaços, e o melhor time faz o que sabe fazer: ganha.

juan_roman_riquelme

E o que você ganha com todo esse sofrimento, meu jovem?

A GLÓRIA, RAPAZ!

Porquê a Libertadores é diferente, definitivamente?

Porque são dois anos de muito trabalho duro, de um dia-a-dia de exaustão, de renúncia de muitas coisas, de críticas e dúvidas. Se engana que a libertadores é esse primeiro semestre, a Libertadores 2009 começou em 2007 – com a montagem de um elenco forte para disputar o nacional; seguido de um nacional longo e exaustivo, cheio de dificuldades, onde você tem que ser o melhor a cada dia para chegar à Libertadores.

E assim que acaba o nacional começa o planejamento, as contratações, o trabalho físico para dixar os jogadores no ápice no playoff.

Ainda entra aí as dificuldades aqui apresentadas, as equipes catimbeiras, violentas, os estádios hostis onde você é apedrejado quando vai bater escanteio, o juiz que não liga se te deram uma tesoura, o campo irregular, as viagens longas e cansativas – algumas para o México.

Por isso a Libertadores é diferente. E ninguém para falar disso como eu, um são paulino, um torcedor do time que mostrou essa verdade para o brasil e o tornou o desejo de 10 em cada 10 times brasileiros!

Você pode estar feliz por seu time estar na Copa do Brasil, ansioso pelos jogos, excitado pela possibilidade dele chegar à final e, eventualmente, vencê-la! Só que o que você ganha com isso? Sim. Uma vaga para a Libertadores, para onde as coisas realmente acontecem, e Onde os Fracos não têm Vez. 

2334135648_3fb82def98

A grande campanha de 2009 começou, amarrem bem as caneleiras. Só um vai para o Japão (quer dizer, esse ano é no Oriente Médio, mas vale a metáfora).

That's all, Folks!!!

5 comentários:

Eduardo disse...

Eu ainda não entendo muito bem dessas coisas xD Qual é a diferença do formato de torneio da Libertadores e da Champions League? [/noob]

Paco D. Lee disse...

Como a Champions tem mais times fazem um grupo de quatro e depois mais um grupo de quatro. Depois playoff igual à libertadores.

Eduardo disse...

Ah sim... Eu não tinha reparado nisso... Só presto atenção quando começam os playoffs mesmo xD

Jaderson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaderson disse...

"jpa o fizeram em outras ocasiões"

errata :P, teve outro q não lembro

e a libertadores é apenas para garantir vaga para o mundial, não importa os problemas, penso que esse sim deveria ser o melhor campeonato do mundo, esta no caminho, antes apenas era 1 jogo, uma pelada.... agora pelo menos existe 1 participante de alguns continentes, mais alguns da america do sul e alguns em maior numero da europa e pronto, teremos o maximo que o futebol pode proporcionar todo ano...