sábado, abril 25, 2009

Review: Ninja Gaiden 2


Antes de tudo gostaria de deixar claro que eu não sou muito fã de fazer reviews.
"Mas Thyago, você já fez algumas reviews para o Blog."
E é por isso mesmo que eu não gosto de fazer, por já ter feito. Não é algo que me dá prazer real de escrever sempre, portanto, não esperem que eu faça este tipo de coisa.
Resolvi fazer este review porque me deu na telha. Qualquer coisa, mandem um scrap pro Arnold mandando ele terminar o post dele.

Então, sigam-me!




Eu antes achava ser um bom jogador. Não havia um jogo que, depois de um tempo, eu não pegasse o jeito dele, sua mecânica e, me adaptando a ela, conseguisse terminar ele. Claro, sempre haverá aquele jogo que é extremamente sacana, mas isto ocorre principalmente por ele ter mais falhas do que qualidades. Portanto, você perdia graças a incompetência das pessoas que programaram o jogo.

Isto não é o caso de Ninja Gaiden 2, do Xbox 360 e que em breve sairá também para Playstation 3.



Veja bem, você é um ninja (e isto já lhe torna automaticamente uma pessoa mais foda, a não ser que seja o ninja do jogo Ninja Golf) e possui logo no início do jogo as hablidades de correr pelas paredes, ter uma série de combos com sua espada, correr sobre as águas, contra-ataques que arrancam membros dos seus inimigos e no decorrer do mesmo recebe as mais variadas armas para tornar sua carnificina mais divertida. Mas mesmo com todas estas habilidades, você irá apanhar feito uma puta velha.

Primeiro que você enfrenta um exécito de outros ninjas que usam agarrões e armas diferentes. Muitas vezes você se verá cercado de ninjas, um lhe atacando pela frente, outros jogando shurikens pelos lados enquanto alguns mais afastados atiram com flechas incendiárias. E devo lembrar que no caso dos agarrões não há defesa, sem mencionar que qualquer combo dos seus inimigos a certo momento quebram a sua defesa lhe deixando aberto para o seu último ataque e para o início da sequência de golpes dos outros inimigos.

Calma, isto "só" acontece nas duas primeiras fases.

Logo depois, você passa a enfrentar exércitos de demônios, sendo que alguns são demônios-ninjas.
...
Sim, "demônios-ninjas".
...
É, você está fudido.

E nem me faça começar a falar dos cães que quando lhe atacam fixam explosivos em você...



"Ah, então se trata de mais um daqueles jogos impossíveis de serem finalizados?"
Não é bem por aí.
Veja bem, como eu disse antes, você é um NINJA, e estas coisas são normais no dia-a-dia de um ninja.Você não será colocado em uma situação completamente sem saída neste jogo. Chega perto disso, mas nunca completamente sem saída. Este é um jogo que realmente recompensa o jogador persistente, aquele que aprende com seus erros, muda suas táticas e vai vendo que apenas ficar insistindo no mesmo combo de sempre é um erro. Um exemplo? O primeiro chefe deste jogo.

Sério, invariavelmente quando você o enfrentar irá apanhar feito um joão-bobo. Ele irá fazer agarrões, combos, se defender dos seus ataques, enfiar o pau no seu ouvido, enfim, você entendeu. Pode até ser que num lapso você consiga tirar alguma coisa do HP dele, mas não será muito.
Depois, você vai notando outras formas de se aproximar dele, repara que não adianta muita coisa usar a defesa contra alguém de três metros e daí vai se adaptando à situação.

"Mas Thyago, isso daí já se trata de tentativa e erro!"

Exatamente.
No decorrer das fases do jogo, você irá encontrar situações difíceis, mas nada que irá lhe matar a não ser pela sua incapacidade. Mas quando você chegar nos chefes, as coisas serão bem na base da tentativa e do erro. Prepare-se para morrer muitas, mas muitas vezes contra eles até você conseguir bolar uma boa estratégia.
Muitos dos chefes são gigantescos (gigantes MESMO). Este aqui, por exemplo. Se este filho da mãe te agarrar, ele colocará você na boca dele, correrá até uma parede e ficará batendo a cabeça dela. Caso você não fique apertando todos so botões como um louco enfurecido, depois dele bater a cabeça na parede umas três vezes, irá te arremessar contra a parede no outro lado do cenário.
E o fato de ser gigante facilita o agarramento dele.

Mas, quando você começa a se tocar das coisas, você pode facilmente derrotar qualquer chefe levando o mínimo de dano ou nenhum.

Graficamente o jogo é lindo. Cada golpe seu que decepar o membro de algum inimigo fará jorrar litros e mais litros de sangue, "redecorando" o cenário. Os efeitos sonoros (especialmente o som de uma lâmina cortando carne) também são excelentes e a trilha sonora faz bem o seu papel, mesmo não sendo algo memorável, mas ainda assim competente.



"Thyago, eu já li você escrever a palavra "decepar" umas cinco vezes..."
É que isto ocorrerá o tempo todo durante o jogo, braço para um lado, perna para outro, cabeças voando, algo que faria o Jason abrir um largo sorriso. Até o momento que um ninja aleijado se agarra com você e explode usando uma kunai explosiva. Certos momentos do jogo você terá a impressão de estar lutando contra o Cavaleiro Negro de Monty Python, já que o fato de estarem aleijados não impede que seus inimigos (sejam eles demônios de 3 metros ou ninjas) continuem lhe atacando.

Resumindo tudo, é um excelente jogo de ação, com uma jogabilidade ótima e com um valor de replay elevadíssimo, já que com o aumento da dificuldade, além de você enfrentar inimigos mais inteligentes e resistentes, você enfrenta novos inimigos e situações que não existiam nas outras dificuldades, garantindo que você, cada vez que volta a jogar, tenha realmente uma experiência nova.

O quê, tava esperando notinha no final? Vai ler o review todo, vagabundo.

4 comentários:

Thyago disse...

ao menos eu vou comentar aqui...
*necessidade de atenção detected*
XD

Bebs disse...

Thy, você me fez querer comprar esse jogo! xD

Thyago disse...

compre bebs, sério, é um jogo MUUUUUITO bom.
mas tb se prepare para apanhar de maneiras q vc nem imaginaria possiveis XD

Jaderson disse...

ta ai, gostei. gostei muito dos jogos anteriores da serie. um dos poucos jogos do estilo que ainda tenho vontade de jogar.