domingo, maio 10, 2009

Ainda dá para ser criativo?

1217426369pxduqsmVivemos inseridos em uma revolução tecnológica que, associada ao capitalismo, inunda nossa sociedade com produtos originais e surpreendentes lançados a cada segundo. Ficamos perdidos em meio a tantas opções e tantos produtos, alguns não têm muita utilidade para nós e mesmo assim buscamos. Mas, espera aí, ainda há espaço para criar coisas realmente úteis e inovadoras? Ainda há espaço para criatividade hoje em dia? Existe alguma coisa que ainda não foi inventada?

Criar algo novo não exige muito mais do que observação, análise do que está à sua volta, do que pode ser melhorado. Pode ser alguma coisa boba, e que depois de feita todo mundo se pergunta como não havia sido feita antes, ou algo complexo que mude a vida de todas pessoas nas gerações seguintes à sua. Pode ser um canudo ou a internet.

Cinemas repetitivos, músicas resgatando ritmos consagrados em outros tempos, a economia vivendo a mesma crise de 80 anos atrás (e buscando a mesma solução), a moda resgatando estilos dos anos 60 e 70. Não se cria mais nada, você deve pensar. Não há mais como ser inovador.

Não é bem assim.

Nossa criatividade não é pautada por grandes momentos, marcos históricos – talvez em alguns pontos – mas o grande diferencial humano é a evolução constante, a revolução constante de nossos conceitos e atitudes, as pequenas ideias que melhoram nossa vida pontualmente e vão se integrando à nossa sociedade.

Se você perguntasse para alguém no século XIX, provavelmente ele diria que não haveria mais nada para inventar. E tente imaginar o que não inventaram de lá para cá. Poxa, o que seriamos de nós sem controles remotos? Apesar de que isso talvez tenha contribuído para nossa obesidade mórbida, mas, enfim. A criatividade se distingue em alguns tipos de ideias:


  • Algo que facilite o manuseio de objetos já existentes

nendo-socket-deer1É um exemplo de algo que todos nós temos problemas (local para colocar o celular enquanto ele carrega) e ninguém havia pensado em algo inteligente para tornar isso mais prático. Existem muitas coisas hoje em dia que não funcionam plenamente, ou que causam alguma dificuldade no manuseio. Fios são um exemplo, já inventaram aquelas caixas onde passam os fios e que ficam nos cantos das paredes, mas, por exemplo, os fios dos controles de vídeo-games ainda são um problema, como vocês guardam os seus?



  • Algo que todos precisavam, mas não sabiam

laser-mouse-7000A maioria das empresas, no desenvolvimento de seus produtos, testa eles em usuários comuns – pessoas leigas à nova tecnologia e que tentam manuseá-lo para que os desenvolvedores entendam o que precisa ser aperfeiçoado e, acima de tudo, o que eles querem. Na Apple é diferente. Steve Jobs fala categoricamente: "Os usuários não sabem o que querem", a partir do momento que você faz coisas surpreendentes e criativas eles passam a precisar delas – mas antes, não sabiam o que queriam.

Assim foi criado o mouse, os usuários estavam acostumados a apenas utilizar o computador a partir do teclado. Quem diria, antes do seu lançamento, que um objeto de manuseio espacial era necessário aos computadores? Ninguém. Mas Jobs criou o mouse e a partir daquele momento todos passaram a precisar dele.



  • Algo sem utilidade, mas que todos querem

    sku_8548_1_small sku_1138_1_thumb sku_8659_1 sku_13721_1_small sku_11312_1

Você pode muito bem fritar seus ovos em uma frigideira comum, mas porque não fazê-lo em uma em forma de porco? Um cinzeiro é um objeto comum, mas que tal um em forma de pulmão, onde você colocaria as cinzas? E que tal um óculos com fones de ouvido embutidos? Você poderia ter ambos individualmente.

Algumas coisas podem não ter muita utilidade prática em nosso dia-a-dia, sendo apenas gadgets que alimentam nossa sede capitalista. Esse é o campo mais rico para a criatividade, o céu é o limite quando você cria coisas que não têm nenhuma utilidade prática mas acabam satisfazendo muitas pessoas.



  • Algo curioso

   cartao a415_minicooper rir04 News4_0

Existe ainda, claro, a forma diferente de ver o mundo. Inerente principalmente aos artistas, e que acabam nos fascinando. Ela também possui um vasto espaço para expansão e podem ter uma utilidade bem prática: vender um produto. Aí é que se encaixam as empresas de propaganda e marketing, e as medidas inovadores que eles criam para repassar uma ideia, um conceito. As vezes utilizar algo que todo dia utilizamos de uma forma diferente, genial. O que acha de fazer propaganda de uma academia colocando pesos nas barras laterais dos ônibus que usamos para apoio?



  • Algo que mudará o mundo

ff_free1_fE ainda existe aquela categoria de novidades que não apenas facilita nossa vida, mas a transforma de forma permanente e, até certo ponto, irreversível. Aí podemos incluir não apenas produtos, mas também conceitos e métodos científicos. Quem sabe o cozimento dos alimentos, a pasteurização, a penicilina – que foi descoberta por acaso, e quem sabe em alguns tempos a freeconomics – a economia do grátis, onde serviços e/ou produtos são oferecidos gratuitamente ou abaixo do preço de custo para que os fornecedores lucrem com acessórios. Podem ser exemplos carros elétricos vendidos quase de graça para lucrarem com as baterias, ou rodízios de pizza com preço em conta para lucrar com o refrigerante, e por aí vai.

A ideia é essa, não deixe as ideias morrerem – pense diferente, veja a sociedade não como ela é, mas como ela seria com uma melhoria. Não busque saber o que as pessoas querem, mas o que elas passarão a achar essencial quando você criar. Todas áreas econômicas da sociedade são passíveis de inovação – a cura de uma doença, um novo método econômico, um estilo de cadeira mais confortável ou até mesmo algum método mais eficiente de tomar apontamento, que não os cadernos. Não tenha medo de inovar.

That's all, folks!!apple-logo

7 comentários:

Thyago disse...

queria fazer um comentário inteligente e original para discutir sobre isto, mas ele invariavelmente será uma repetição do óbvio "temos que nos reinventar".

Portanto, fico calado, ou não, já que estou comentando.

Gusta disse...

Gostei da matéria. =D

Bárbara disse...

Eu tive uma época de achar que nada mais era original, que inovar era impossível! Bem, hoje já mudei de concepção e admiro quem é capaz de inventar algo útil. =]

Batsuman disse...

eu poderia citar aqui uns 10 livros que falam sobre criatividade, mas infelizmente eu não tenho nenhum deles hahahaha tenho só os nomes anotados pra comprar quando achar.. como não estou com a lista aqui, deixa pra lá.

primeiro.. uma nota sobre o post. é algo que me incomodou... ahm.. foi a forma que vc dirigiu seu texto. ele foi muito "o que eu falo é a verdade absoluta. não conteste! eu sei do que falo, pq sou foda nisso, já que não estou citando nenhum embasamento teórico." sabe como? ficou meio "agressivo"
mas tudo bem.. deixa pra lá..
eu que sou chato mesmo hahaha

sobre o assunto agora..
eu não acho nem nunca achei que "não há mais nada para criar". sempre há. apesar de que concordo que parece que muitas pessoas hoje preferem viver no passado apenas reinventando ou reconstruindo coisas de decadas atras.

sobre o mouse..
bom.. o mouse não é exatamente uma ferramente intuitiva. e hoje em dia temos as telas sensíveis a toques multiplos. quem ja mexeu num iphone sabe o quanto é gostoso de fazer coisas simples nele como visualizar uma foto. se não me engano existe até um video que mostra uma criança que não sabe ler nem escrever, mas sabe carregar um video do youtube no iphone.
ja dizia não-lembro-quem... "a originalidade vem de origem"

Paco D. Lee disse...

Tudo bem, vou lembrar disso, Yosh.

Bebs disse...

Muito bom esse artigo! É o tipo de assunto que me interessa bastante, já que sou designer. xD

Gostei muito! =)

Blazer disse...

concordo com qse tudo Batsuman
Mas sobre o mause acho que ele quis da um exemplo de algo com que,hoje em dia,todo mundo meche e não e todo mundo que tem um iphone, ja que o preço e um "pouco"elevado.
Eu tambem nunka achei q naum a nada a se criar na minha opinçao o que existe egente acomodada demais com o padrão de vida atual