sexta-feira, julho 10, 2009

Modos safados de deixar os games mais longos



(O jogo ficou DESTE tamanho!)

Olá mais uma vez pessoal! Estou aqui de volta nesta semana para falar dos modos mais safados que muitas desenvolvedoras de jogos encontraram para deixar os seus jogos ainda mais longos.

Isso não torna o jogo exatamente ruim. Algumas vezes os elementos que citarei a seguir tornam o jogo ainda melhor, mas isso nem sempre acontece.
Vamos lá!

REPETIR OS CENÁRIOS



Jogos como Metroid ou Castlevania (pelo menos a partir do Simphony of the Night) possuem a seguinte mecânica: você explora um gigantesco mapa e tem que ir descobrindo certas partes do castelo/dungeon. Você precisa revisitar o mesmo cenário várias vezes para poder pegar os itens necessários (ou power-ups) para poder terminar o jogo. É um recurso interessante, afinal, quando você encontra aquela porta logo no começo do jogo e não pode sequer chegar nela, aquela sensação de "tenho que abrir a porcaria daquela porta" fica martelando na sua cabeça e você realmente tem a satisfação de conseguir abri-la.

Mas, infelizmente, nem todos os jogos usam esta maneira correta de repetir cenários. Muitas vezes isso acontece pelo pouco tempo que os designers têm para trabalhar no jogo, ou simplesmente por pura falta de cuidado mesmo, afinal a quantidade de lixo digital que é lançada para "apreciarmos" fica maior a cada dia. Quem já não teve que depender do mapa para sair de tal local pelo fato de que todas as salas de lá serem iguais?

Em Mass Effect, temos uma falsa sensação de estar explorando diferentes minas ou estações espaciais, porém o que ocorre é o reaproveitamento dos mesmos cenários de cada side-mission. Você não consegue nem sequer mais se surpreender mais. Com exceção das missões principais e quando você vai explorar um novo planeta (sendo sempre agraciado com diferentes formações no relevo e no ambiente em geral), você verá os mesmos cenários sempre.

E convenhamos, em Mass Effect você passa mais tempo fazendo side-missions do que as missões principais (com exceção da última que como sempre é enorme).

REPETIR CHEFES



Este é um recurso utilizado em games como Devil May Cry 4 e Ninja Gaiden 2. Eu não vejo problemas do chefe aparecer de novo caso ele traga alguma melhora ou diferença real, mas o que eu vou falar aqui são dos chefes que simplesmente reaparecem sem ter diferença comparada às suas aparições anteriores.

Sim, isso é um recurso bem safado, mas o que me assusta é o fato dele aparecer em jogos com tantos investimentos. Não acredito que tenha sido simplesmente a desculpa de "acabaram as idéias", é mais pelo fato de que se economizando reutilizando personagens no jogo. Eu fico indignado em ver que eles tiveram tanto cuidado em fazer armas dos mais diferentes tipos (depois de ter visto uma guitarra virar arma em Devil May Cry 3 pensei que nada mais seria possível de se inventar, depois eu vi uma motosserra ser acoplada numa metralhadora em Gears of War... acho que o limite será quando tivermos uma metralhadora ligada a um trem) eles tenham tanta pouca atenção em criar variadas criaturas para podermos usar estas armas.

REPETIR MISSÕES




Um exemplo recente de game que você PRECISA fazer repetidas missões para avançar na história é Assassin's Creed. E todo mundo sabe o quanto é chato ter que fazer umas quinhentas vezes as missões de pickpocket (que é roubar algum documento de um mensageiro, o qual é um imbecil que nunca chega ao seu destino) e outras tantas que tivemos de repetir a de ajudar pessoas que estavam sendo abusadas por oficiais. Aliás, logo na primeira cidade você já faz e viu tudo que irá fazer pelo resto do jogo, as únicas novidades durante todo o resto da jogatina será a de explorar os cenários.

Mas nem sempre isto é uma coisa ruim. Tomemos como exemplo GTA 4. Nele temos várias missões que são essencialmente "matar uma porrada de gente e fugir da polícia". Tenham certeza que 90% das missões são assim. Porém, tudo é feito de uma forma diferente a cada missão, você tem a opção de mudar sua abordagem, pode chegar de forma furtiva e matar cada um com uma sniper ou pode simplesmente chegar atirando até nas velhinhas da rua.

LOADINGS QUE SÃO INEXPLICAVELMENTE LONGOS



Se existe algo que não deveria mais ser tolerado são os "Loadings" longos que de vez em quando nos deparamos quando jogamos algum game. Algumas vezes eles são realmente necessários, como nos games estilo sandbox, como GTA.

Mas jogos que fazem você encarar um "loading" longo pra caramba só porque você morreu é algo ridículo. Joguei recentemente Ghostbusters no meu Xbox 360 e posso dizer que o jogo ganhou pelo menos uma horinha extra pra cada tela de loading que eu tinha que ficar vendo cada vez que morria.

Eu entendo que tem vários elementos que precisam ser carregados e "resetados" quando você volta a um checkpoint, mas encarar uma tela de loading que só falta não terminar por você cometer um errinho bobo é demais.

POWER-UPS CAROS



Muitos jogos usam deste recurso para forçar os jogadores a aproveitarem o máximo das side-missions (missões que não possuem obrigatoriedade de serem cumpridas para dar continuidade a história do jogo). Eu vejo as side-missions como algo que você só faz se realmente gostar do jogo e se interessar em investir no personagem.

Porém, nem sempre é assim. Joguei recentemente Prototype e pude constatar os power-ups mais caros que já vi. Claro, é até "simples" você juntar 100.000 pontos, já que praticamente tudo o que você destrói pode ser convertido em pontos de experiência, porém quando começam a pedir UM MILHÃO por um power-up importante e que possui um elevado potencial de causar danos, sendo quase indispensável para concluir o jogo, aí sim temos um problema.

Você fica naquela obrigação de ter que fazer tudo, não porque você realmente gosta de fazer aquela side-mission em particular (eu por exemplo odiava aquelas de ter que fazer o de "guerra", na qual você ou fica aliado com os infectados ou com os militares e daí tinha que derrotar os inimigos marcados), mas porque você PRECISA dos pontos que ela te dá para poder comprar aquele power-up importante e assim seguir o jogo com mais facilidade.

Sim, eu sei que isto é fazer você dar uma vida útil maior ao jogo, mas ainda assim eu fico com aquela impressão de estar jogando quase que por obrigação até ter aquele power-up.

"Se não gostou, não jogue", você pode dizer. Mas daí que vem aquela pergunta, se é uma side-mission, ela não deveria ter se tornado obrigatória, deveria ser algo opcional.

Entra nesta categoria também os RPG's em geral, como os antigos Final Fantasys em que você PRECISAVA treinar até atingir um nível mais avançado para matar um chefe. Eu sou a favor do "treino" nesses jogos, mas também deve ter um certo limite. Fica ridículo você ter que passar 3 horas direto tendo que matar OS MESMOS MONSTROS para conseguir reunir experiência o suficiente para subir uns 3 níveis e aí sim poder matar aquele chefe que só é forte por ter "pontinhos altos no status dele".

Além dos MMORPG's que forçam você treinar até a morte, matando criaturas do mundo para subir um miserável nível e assim conseguir equipar uma arma que vai te dar um bônus de mais dois pontinhos num status qualquer.

MORTES GRATUITAS


(morte certa)

Quando os videogames surgiram, eles vinham na forma de máquinas de arcade e ficavam em bares e fliperamas. Eles tinham a missão de ser o mais fela-da-putamente (novo advérbio) difíceis possível, já que para você jogar era necessário colocar fichas que tinham que ser compradas. Assim, o game rendia às custas da sua dificuldade.

Daí, os consoles invadiram as casas e milhares de crianças começaram a jogar videogame dentro de casa, deixando pais despreocupados por eles estarem na segurança de casa jogando (para meu pai todo fliperama era lar de maconheiro... ele tem razão) e depois preocupados por eles não saírem tanto de casa.

Enfim, chegou a era 8-bit e nesta época que apareceram os jogos mais difíceis e que ainda assim conseguiram conquistar milhares de fãs. Títulos como Megaman e Castlevania que saíram no console da Nintendo ainda hoje são conhecidos por sua dificuldade (mesmo usando save state no meu pc aqui tive dificuldades de terminar Megaman 2), shooters como Gradius e R-Type e adventures como Battletoads.

O interessante é que eles nem são jogos longos, aliás, eles tinham no máximo umas sete ou oito fases e pronto, acabava. Mas cada fase era tão difícil e complicada que são comuns casos de pessoas que tinham o jogo mas nunca conseguiram terminar devido a esta abusiva dificuldade.

Tipo, quem jogou Megaman 2 conhece a parte dos blocos que aparecem e somem num determinado padrão. Esta parte empacou já tanta gente neste jogo e já causou traumas irreparáveis. A infame fase do jet ski do Battletoads então dispensa qualquer comentário.

PARENTE EM CASA



Encerro este artigo falando do fator que mais consegue atrapalhar um jogo de ser terminado. Eu sei que não é culpa das softhouses, mas que qualquer jogo, por mais curtinho que seja, parece ter umas trinta horas de duração quando você recebe na sua casa aquela parentada, isto é um fato.

Primeiro que você não consegue jogar direito, já que sempre tem um matuto que fica olhando você jogar (eu não sei vocês, mas eu detesto isto. Se está do meu lado ou jogue comigo ou saia de perto) OU então chega aqueles priminhos pivetes (todo mundo tem seus priminhos pivetes) que ficam querendo jogar videogame. Seria um incentivo se eles soubessem jogar outros jogos que fossem GTA ou Winning Eleven. Isso quando não apagam "sem querer" um salvo seu. Aí sim, qualquer jogo fica longo pra cacete.

Sem falar que acaba qualquer tipo de horário que você possa jogar tranquilamente, já que sempre vai ter um pivete do lado que não cala a boca ou uma tia que quer ver novela.

Bem pessoal, estes foram os casos que eu me lembrei na hora.
Até!

PS: colocar imagens no post também é uma maneira safada de deixar ele mais longo.

4 comentários:

Eduardo disse...

Os cenários iguais em Mass Effect me desanimaram completamente a fazer as side-quests, nao cheguei nem a visitar todos os planetas...

E esses loadings de Ghostbusters são MUITO irritantes

Eduardomsc disse...

adicionar fases absolutamente horríveis e nada divertidas(quando comparadas ao resto do jogo) também é um modo safado de deixar games mais longos.

Sonic Adventure 1 me vem a mente como exemplo.ok,as fases do Sonic,do Tails e do Knuckles eram legais.as fases do E-102 eram razoáveis,e as da Amy eram jogáveis...mas as do Big eram simplesmente horríveis,HORRÍVEIS !!mas terminá-las era necessário para acessar o verdadeiro final do jogo,o que é uma safadeza.

Bebs disse...

Em DMC4 além da repetição dos chefes, é um saco a repetição dos cenários, de ter que visitar de novo com o Dante todos os lugares em que passamos com o Nero! ¬¬º

Meu maior problema é com os RPGs! Como não tenho paciência de ficar lutando repetidamente com os mesmos monstros, sempre evoluo o mínimo possível pra ir avançando no games aos trancos. Mas fatalmente chega o momento em que aparece um chefe com um level MUITO maior que o meu, só de sacanagem, me obrigando a voltar em alguma dungeon e ficar lá algumas horas tendo de evoluir tudo que não evoluí no resto do jogo. ¬¬º

Thyago disse...

eu evito sempre ficar fugindo das batalhas, mas nao fico treinando a nao ser q um chefe obrigue isto.

ah sim, mudei a foto do começo do post, acho que esta nova ficou melhor mesmo XD