quinta-feira, setembro 10, 2009

Cinema como novo espaço socializador

A maioria de nós já se encontrou na incômoda situação de ficar numa sala de cinema com adolescentes que ficam contando piadinhas, conversando alto, tirando fotos e derivados. O anonimato provido pelo escuro desinibe-os, assim como a internet? Talvez. São apenas adolescentes querendo aparecer para seu pequeno nicho social, adquirindo respeito através de humor? Provavelmente. Mas uma coisa não se pode negar: O cinema está passando a ser um novo espaço de socialização, onde todos vão para conversar, namorar, rever amigos. Se der, vêem o filme.

image

Indiscutivelmente o humano é um ser sociável, bastante até. Na Grécia Antiga, principalmente em Athenas, o trabalho braçal era desqualificado – a população queria ter tempo suficiente para ir à Ágora (praça) para discutir política, filosofar e pensar. Era o ócio produtivo, e foi o que deu base à nossa democracia. Em cidades do interior, que mantém seus costumes, é comum ver as pessoas na calçada de suas casas conversando sobre tudo, em cadeiras de balanço. Mas com ruas violentas e praças públicas tomadas por sem-tetos e drogados onde a população das grandes cidades se reúne?

O cinema surgiu no final do século XIX, com os irmãos Lumière. Por um bom tempo foi um instrumento científico, do qual pouquíssimos tinham acesso. Com o tempo passou a se popularizar e ocupou as grandes cidades, isso antes da televisão surgir, as pessoas ainda iam às salas para ver as notícias do dia, os gols daquela partida que ouviram no rádio e pequenos filmes. Os cinemas se localizavam no centro das cidades, eram frequentados por políticos, celebridades, burgueses. Todos bem vestidos e compenetrados nas películas.

Um paralelo interessante pode ser feito com os estádios de futebol, que recebiam público semelhante – é só ver imagens da final da Copa de 1950 no Brasil, mesmo espremidos no Maracanã todos desfilavam bom figurino, hoje então… Hoje, então, os cinemas de rua sucumbiram diante da violência urbana e faliram, ninguém mais pagava apenas para ir ver um filme, o cinema brasileiro como um todo não vivia uma grande fase. A solução foi colocar o cinema como parte da experiência de "shoppear". Você vai, vê roupas em lojas, vitrines, lancha na praça de alimentação e depois assiste a um filme. Com sua turma, socializando.

Esse é o novo espaço para socialização. Na última terça estava numa sala e uma senhora se exaltou, exclamando para um grupo de jovens: 'Lugar de palhaço é no circo'. Ela estava certa, eles estavam incomodando, contando piadas, rindo alto. Mas, infelizmente, é como a sociedade se configura hoje, o cinema é um local que as pessoas vão para se encontrar e conversar. Coisa parecida ocorre com outras mídias, com a internet uma hora ou outra os DVD's e Bluray's da vida vão morrer – a tendência é tudo ficar online, e grátis. E a indústria lucrar com mercados adjacentes: propaganda, marketing, produtos relacionados, não sei. Mas isso já é assunto para outra postagem.

2 comentários:

cinefilapornatureza disse...

Olha, eu acho ótimo que as pessoas vão mais ao cinema, mas acho uma verdadeira falta de respeito o tipo de comportamento de algumas pessoas dentro da sala escura. Acho que ali é um lugar que a gente vai para escapar do dia a dia, pra se divertir, pra relaxar, pra se emocionar. Quem quer fazer barulho, que fique lá fora! Cinema é para se ver em silêncio e totalmente focado na grande tela... Mas, essa sou só eu e meu pensamento! Ninguém é obrigado a concordar comigo!

Paco D. Lee disse...

Pois é, e assim deve ser. Mas os cinemas tiveram que se render aos shoppings para sobreviver, e uma vez lá isso acaba acontecendo. Não é o ideal, mas quem sabe com bons filmes nacionais voltando ao grande público essa consciência não mude?