quinta-feira, outubro 29, 2009

Análise de Gênero #04 – Holocausto Zumbi

semterror Os zumbis são relacionados à cultura vodu haitiana, onde sacerdotes reviveriam mortos e eles seriam seus escravos eternos – ou seja, ele é associado ao trabalho físico desgastante e à subordinação. Nada estranho então em achar que aquele trabalhador assalariado que chega às 4hs da manhã com olheiras cavernosas seja chamado de zumbi.

Não, não foi George A. Romero que criou a mitologia dos zumbis, mas foi ele que a introduziu na cultura pop ocidental definitivamente. Recauchutando um pouco os conceitos do pessoal do vodu lá no Haiti e inserindo elementos que os popularizariam e os tornariam o fenômeno que são hoje. Destacadamente a voracidade deles por comer carne humana e o fato de serem contagiosos a partir da saliva.

Esse é para mim o melhor gênero de terror, talvez não seja o que dê mais sustos ou coisa do tipo, mas certamente é o melhor elaborado e o mais inteligente. E é aquele em que mais nos vemos dentro da tela, onde com mais intensidade pensamos "o que eu faria?". Tenho essa postagem na cabeça há alguns meses já, e nunca tive coragem de escrever, por ter medo de estragar o que mais gosto – ou deixar esse gosto atrapalhar. Agora já era, acompanhem!

  • Um belo dia…

Talvez o ponto que mais se destaque no Holocausto Zumbi seja o seu início, justamente por ele não existir! Ninguém sabe como surge o primeiro zumbi, e a falta de informação coloca os envolvidos naquele caos contra a parede: Um belo dia eles acordam e todos seus amigos, familiares e conhecidos estão comendo carne humana pelos cantos, soltando grunhidos estranhos e se voltando para sua direção com os braços estendidos e uma cara de poucos amigos. O que fazer?

image Nos vários filmes de zumbis que já estiveram nas telonas nada passou de boatos, de que isso poderia ser causado por um vírus-teste que vazou de laboratórios científicos, por um vazamento de radiação, por rituais religiosos ou simplesmente pela explicação de quem quer mais é sobreviver… O inferno estava cheio e eles vieram passear na terra.

Isso pode mudar em breve, felizmente ou infelizmente George A. Romero, o cara que adaptou essa mitologia para nosso mundo revelou recentemente que está trabalhando em um livro, para o próximo ano, onde as origens dos zumbis podem ser finalmente reveladas. O que abriria uma brecha para sua solução.

  • Os zumbis surgem

Na magistral definição de George A. Romero o zumbi é o ser humano em estado puro, sem as amarras e limitações impostas pela vida em sociedade. E esse é o grande ponto deles, diferente de monstros sobrenaturais, criaturas alienígenas ou robôs superavançados eles são o que nós somos, eles são nós, ou somos nós, sei lá. São seu vizinho, seu irmão, seu amigo.

Por mais agonizante que seja não dá para dizer que eles estão mortos, eles apresentam atividade cerebral ainda, talvez até memórias e instintos -  como os zumbis que "fazem compras" em Despertar dos Mortos (Dawn of the Dead, 1978) – evidentemente prejudicados pela falta de oxigenação do cérebro ocasionados no momento da morte, o que também os deixa em estado catatônico. Sim, zumbis são catatônicos, eles não, NÃO, são rápidos e ágeis. Ouviram? Zumbis não são rápidos. Em hipótese alguma!

imageE esse é um ponto interessante deles, como sabemos uma mordida de zumbi faz com que a pessoa em algumas horas se transforme também em um zumbi, talvez devido ao contato da saliva onde estariam inoculados os vírus. Mas antes de se transformar em um zumbi o portador morre devido à infecção, por mais simplória que tenha sido a mordida. Portanto a zumbificação é um estado posterior à morte, e isso fica muito bem evidenciado no remake de Despertar dos Mortos onde um personagem infectado é acompanhado até a morte e sua conseqüente transformação.

  • Crítica social

Como evidentemente vocês já devem ter notado, mais do que um excepcional gênero do terror com elementos bem fechados – a infecção que se alastra e apenas cresce, o impacto de ver que os monstros são pessoas comuns e você pode se tornar um – o Holocausto Zumbi tem seu ápice na bem construída crítica social que ele representa.

Afinal, a primordial conseqüência da disseminação desse mal é a dissolução da sociedade organizada como a conhecemos. A morte quase instantânea de um considerável contingente populacional paralisa os serviços básicos; o medo do contagio afasta as pessoas das grandes cidades criando um grande caos; os meios de comunicação podem sair do ar, talvez a internet nos tempos modernos sobreviva, assim como os meios mais primitivos, como o rádio e o telegrafo.

image Por fim as estruturas de poder perdem qualquer sentido, sem instituições fiscalizatórias não há mais leis, saques ocorrem constantemente e a partir daí a sobrevivência se dá em pequenos grupos nômades que consomem os recursos de uma área e partem para outra – mulheres, comida e combustível passam a ser os itens de maior valor.

Os humanos são levados ao seu estado primitivo, os falsos conceitos de ética, modos, elegância e etiqueta são logo dissolvidos pela necessidade instantânea de sobrevivência. Ou se vira ou morre, negão, não tem para onde correr!

Resumidamente é isso, o Holocausto Zumbi destrói a sociedade e, a partir daí, só o que vale é a sobrevivência. Esse gênero cinematográfico possui evidentemente muitas outras nuances, mas estou escrevendo uma postagem, não um um livro, então infelizmente tenho que conter meu ânimo e encerrar por aqui. Quem sabe não faço uma Parte II dia desses?

3 comentários:

Edo disse...

Pra começar meu comentario eu faço uma aposta... Quem descobrir de que filme é a primeira imagem que o Lee postou, eu dou um pirulito! XD

E desmistificando essa historia de que a mordida do zumbi que transforma a pessoa... A mordida só acelera o processo, por que de um jeito ou de outro quando a pessoa morrer ela acabara como um zumbi, isso é mostrado no filme DIARIO DOS MORTOS, tambem do Romero, que foi filmado ao estilo Bruxa de Blair, como o proprio Lee comentou em um topico anterior.

Bem, eu ia falar mais coisa só que eu esqueci o que era, então... É só isso! XD

Edo disse...

E ainda digitei errado... Não era aposta, era PROPOSTA! XD

Paco D. Lee disse...

Good Point! Isso também é citado no Walking Dead, realmente tinha esquecido disso, valeu pelo toque. XD

E, ah, nós sabemos qual é! hahahahaha